whatsapp[1] WhatsApp: (48)99993-5301 | (51)99904-6810 | Implante Capilar
WhatsApp (48)99964-1112 | Queda de Cabelo/Agendamento de consulta
Central Telefônica: (48)3333-2804 | (48)3333-2129

Como esta a sua calvície? Faça pré avaliação gratuita e confira! Clique aqui!

ROBO ARTAS (FUE ROBÓTICO) , FUT OU FUE MANUAL? QUAL A TÉCNICA MAIS ADEQUADA PARA O MEU IMPLANTE CAPILAR? Confira este artigo e tire suas dúvidas.
Featured

IMPLANTE CAPILAR: QUAL A TÉCNICA MAIS ADEQUADA?

ROBO ARTAS (FUE ROBÓTICO) , FUT OU FUE MANUAL?
QUAL A TÉCNICA MAIS ADEQUADA PARA O MEU IMPLANTE CAPILAR?

Na atualidade são empregados dois métodos de extração das unidade foliculares: a técnica de extração da faixa chamada de FUT = Transplante de Unidades Foliculares e a Técnica de FUE = Extração de Unidades Foliculares.

Mas qual a diferença entre as duas técnicas?

A grande diferença entre as duas é a forma como as unidades são retiradas da área doadora (região da nuca).

NÃO DESEJO LER, QUERO LER DIRETO O RESUMO E CONCLUSÃO

TECNICA FUT:

Na técnica F.U.T (Folicular Unit Transplant) o cirurgião retira 1 faixa do couro cabeludo medindo cerca de 22 a 30cm de comprimento por 1,6 a 2,5 cm de largura em procedimentos de mega ou gigassessões. A região doadora então recebe uma sutura tricofítica (pontos com as unidades foliculares cobrindo a região), aproximando as bordas da região cirúrgica.Ondeo resultado será cicatriz linear pouco perceptível em pacientes com elasticidade generosa, e camuflada por todos os cabelos vizinhos.

Esta técnica possibilita a realização de MEGASSESSÃO em média de 3000 unidades foliculares (ufs) ou mais em apenas um procedimento (cerca de 10-12 mil fios), com durabilidade de aproximadamente 6 horas. É importante salientar que, o paciente deverá usar os cabelos no mínimo na altura da máquina 3, para que a cicatriz fique escondida já no dia da cirurgia.

Já na técnica FUE MANUAL ( Folicullar Unit Extratction ) , todos os folículos de 1 a 4 fios são extraídos da nuca pelo médico especialista em implante capilar um a um de forma aleatória. A grande vantagem da técnica de FUE é não deixar cicatriz linear possibilitando o uso dos cabelos curtos. É conhecida como a técnica de transplante capilar sem cicatriz linear.

Isto acontece pois os orifícios realizados para a remoção dos fios são extremamente pequenos, com 0.8 a 0.9mm de diâmetro. Outra vantagem é que esta técnica pode ser realizada nos pacientes que não possuem boa elasticidade na região doadora, o que impediria a realização de um microtransplante com a técnica de FUT anteriormente citada. Também é a melhor indicação para o transplante de barba, pois se consegue retirar pelos da própria barba preservando as mesmas características pilosas da região.

É relevante salientar que na realização da técnica de FUE os cabelos precisam ser raspados para conseguirmos introduzir o pequeno punch corretamente e extrair a unidade folicular sem nenhum dano. A desvantagem é que, como o cirurgião retira às cegas, existe uma grande possibilidade de perdas foliculares (cortar a raiz sem notar), por isso é mais indicado para pequenas cirurgias reparatórias. Existem na literatura perdas de até 35% de folículos viáveis dependendo da experiência do cirurgião.

Nesta técnica, como as unidades foliculares são retiradas uma a uma, o tempo cirúrgico é maior. O procedimento de FUE pode ser realizado em 1 ou 2 dias consecutivos de cirurgia.

Para a colocação dos fios são utilizados os chamados “IMPLANTERS”, dispositivos semelhantes à uma caneta com um sistema de mola e uma agulha na ponta de 0.8mm de diâmetro para as unidades foliculares de 1 e 2 fios ou 1.0mm de diâmetro para as de 3 e 4 fios. Estas agulhas possuem uma abertura central que possibilita o posicionamento da unidade folicular em seu interior. Ao introduzir a agulha na área calva e apertar a ponta oposta do implanter, a unidade folicular é automaticamente implantada. A principal característica desta técnica de colocação é que o bulbo ou raíz dos fios não é tocado, o que reduz o trauma e aumenta a chance de crescimento destes fios.

FUT – Descrição da técnica cirúrgica

  • O primeiro passo da cirurgia de megatransplante é a retirada de uma elipse do couro cabeludo da área posterior medindo aproximadamente 25 a 30cm de comprimento por 1,5 a 2cm de largura. É dessa elipse que serão retirados os folículos capilares a serem transplantados na região calva (área receptora).

Para a obtenção de uma cicatriz camuflada utilizamos a técnica chamada Sutura Tricofítica, onde se retira uma pequena porção do bordo inferior ou superior da ferida cirúrgica. Após a sutura, os cabelos crescerão entre os pontos antes da cicatrização total da pele. Ainda que o paciente opte por um corte de cabelo curto, a cicatriz será camuflada. Esta técnica foi desenvolvida por um cirurgião francês, um americano e outro australiano em áreas doadoras de 1cm de largura.

  • O segundo passo é a dissecação da elipse retirada para a formação das unidades foliculares (folículo contendo a raiz capilar + glândula sebácea + tecido conjuntivo ao redor), que podem conter de 1 a 4 fios. No total são lapidadas 2.500 a 3600 unidades foliculares ou mais, que totalizam cerca de 6 a 11 mil fios, dependendo da área doadora obtida de cada paciente. Para saber o número provável de fios que serão transplantados é feito, no pré-operatório, o exame denominado videodermatoscopia capilar computadorizada em 3D (número de fios por cm2 de área doadora).
  • O terceiro passo é a distribuição das unidades foliculares na área calva que deve seguir a direção correta, com a angulação e a densidade indicada para cada região. Este é um processo igualmente trabalhoso e artesanal.

Na zona anterior (aproximadamente 2cm) são colocadas de 1200 a 1500 unidades foliculares em incisões que variam de 0,8mm -1.0mm a 1.25mm de largura, nas quais são implantadas as unidades de 01 fio. Estas incisões, que podem ser sagitais ou coronais, possuem uma angulação de 15 a 20º, para propiciar o crescimento destes cabelos direcionados para frente, como se observa no couro cabeludo sem calvície.

Se o paciente apresentar graus menos severos de perda capilar não há dano nos fios pré-existentes. As incisões são feitas nos espaços entre os fios. Isto é possível, pois os cirurgiões usam lupas especiais de grande aumento.

Em seguida são transplantadas as unidades foliculares de 2 e 3 fios na região intermediária. O número varia dependendo da quantidade de fios obtidos.

A terceira região a ser tratada é o vertex, também chamado de “coroa”. O direcionamento dos fios desta parte do couro cabeludo faz um “redemoinho” que deve ser mantido. Nos pacientes com graus avançados de calvície, sem fios pré-existentes, o cirurgião refaz este desenho.

Nos casos onde o tratamento da coroa é prioridade para o paciente, o procedimento é iniciado por ela, e onde é transplantado cerca de 1000 a 2000 unidades de 1, 2 e 3 fios mesclados.

O tempo da cirurgia é, em média, de 6 horas.

É importante observar que é normal a necessidade de dois tempos cirúrgicos para a restauração de toda a área calva, dependendo do grau de calvície.

A precisão dessa tarefa, somada ao desafio de obter a aparência mais natural possível, é que conferem à cirurgia de megatransplante, realizada pela equipe da Clínica Muricy, o status de arte.

Saindo da cirurgia

No final de todo o procedimento o paciente recebe um curativo, que é retirado em até 18 horas após a cirurgia, quando o paciente tem seus cabelos lavados com o shampoo

e recebe todas as orientações sobre os cuidados pós-operatórios.

Os fios transplantados irão cair após três ou quatro semanas, mas a raiz interna permanece no novo local.

Após três meses do procedimento, com a total cicatrização, os novos cabelos iniciam o crescimento. Nesta fase o resultado é ainda parcial. Com quatro meses já se observa uma melhora no volume, mas o resultado final só será pleno com 8 a 10 meses de pós-operatório. Como são cabelos naturais, eles podem ser penteados sem a necessidade de qualquer cuidado adicional.

FUE – Descrição da técnica cirúrgica

O termo FUE significa Follicular Unit Extration em inglês. Em português, Extração de Unidades Foliculares uma a uma. É uma nova técnica de obtenção dos fios da área doadora conhecida como Transplante de Cabelos “sem cicatriz linear”.

História da Técnica de FUE

A técnica surgiu em 2002, quando Dr. Rassman e colaboradores publicaram seu primeiro trabalho descrevendo a metodologia do FUE, que na época foi chamado de Procedimento de FOX. Era usado um punch manual afiado de 1.0mm de diâmetro para a extração dos fios um a um na área doadora. (Punch é um instrumento cirúrgico usado para fazer um corte na pele de formato redondo. Possui vários tamanhos, de 0.5 até 9mm de diâmetro. Sempre foi muito usado em dermatologia para a realização de biópsias de pele e couro cabeludo. Figuras 01 e 02).
Vários punches de 0.9mm de diâmetro
Cabo para acoplar o punch e facilitar o manuseio

Na época somente 60% dos pacientes estudados pelo DrRassman eram candidatos à realização do procedimento pelo alto risco de transecção dos folículos. Rassman et al. orientavam que se limitasse a profundidade da introdução do punch na pele do couro cabeludo na tentativa de reduzir a porcentagem de lesão. Logo após, Dr. Cole desenvolveu um punch manual afiado com limite de introdução na pele (Figuras 03 e 04). A técnica não foi muito empregada pelo risco de transecção dos folículos pelos punches afiados.

Em 2004, Dr James Harris desenvolveu um aparelho chamado SAFE System (Surgically Advanced Follicular Extraction = Extração Folicular Cirúrgica Avançada). É um sistema que utiliza um pequeno motor e um puch “cego”, não afiado, permitindo a realização da cirurgia com menor índice de trauma folicular e em menor tempo cirúrgico.

Nestes últimos anos a Técnica de FUE foi se popularizando e mais médicos foram dominando a forma de lesar ao mínimo as raízes dos cabelos. Atualmente, um dos grandes experts em Transplante capilar de FUE é o Dr. José Lorenzo, de Madrid, Espanha. Ele se especializou somente nesta técnica e a indica para 100% de seus pacientes. Utiliza um punch manual para a remoção das unidades e os Lion Implanters para a colocação.

Descrição da Técnica de FUE

Primeiro, é importante mencionar que na realização da técnica de FUE os cabelos da região doadora precisam ser raspados para conseguirmos introduzir o pequeno punch de alguns milímetros corretamente e extrair a unidade folicular sem dano. Casos que exigem um menor número de unidades foliculares permitem que a raspagem seja somente parcial.

Todos os folículos de 1 a 4 fios são removidos da área doadora pelo médico cirurgião um a um de forma aleatória, possibilitando o uso dos cabelos bem curtos e até raspados. É conhecida como a técnica de transplante capilar sem cicatriz linear.

Isto ocorre porque os orifícios feitos para a remoção dos fios são extremamente pequenos, com 0.8 a 0.9mm de diâmetro. Outra vantagem é esta técnica poder ser realizada nos pacientes que não possuem boa elasticidade na região doadora, o que impediria a realização de uma megassessão com a técnica de FUT (Transplante de Unidades Foliculares com extração de uma faixa de couro cabeludo). Também é a melhor indicação para o transplante de barba, pois conseguimos retirar pêlos da própria barba preservando as mesmas características pilosas da região quando necessitamos de poucas unidades foliculares, ou podemos também obter pêlos do couro cabeludo para serem transplantados na barba. Outra região doadora possível (exceção) é a dos pelos do tórax, nos casos de baixa densidade folicular da região doadora do couro cabeludo.

Nesta técnica, como as unidades foliculares são retiradas uma a uma, o tempo cirúrgico é maior.

Colocação das Unidades Foliculares (Fios)

Para a colocação dos fios são utilizados os chamados ” IMPLANTERS” , dispositivos semelhantes a uma caneta com um sistema de mola e uma agulha na ponta de 0.8mm de diâmetro para as unidades foliculares de 1 e 2 fios ou 1.0mm de diâmetro, para as de 3 e 4 fios. Estas agulhas possuem uma abertura central que possibilita o posicionamento da unidade folicular em seu interior . Ao introduzir a agulha na área calva e apertar a ponta oposta do implanter, a unidade folicular é automaticamente implantada. A principal característica desta técnica de colocação é que o bulbo ou raiz dos fios não é tocado, somente a superfície da unidade folicular, o que reduz o trauma e aumenta a chance de crescimento destes fios.  . A outra vantagem do uso das agulhas é a concentração alta que se consegue, pois os orifícios produzidos são de 0.8mm a no máximo 1.0mm de diâmetro. O resultado desta técnica é um transplante capilar extremamente natural e com alta densidade.

O crescimento dos fios transplantados ocorrerá após 3 meses da cirurgia como na técnica convencional.

Especializada em Transplante capilar há mais de 10 anos e sempre mantendo seus profissionais altamente capacitados, tendo realizado no Brasil mais de  mil cirurgias de transplante capilar, o Centro de Medicina Capilar ficou nacionalmente conhecida como a pioneira no Mercosul na técnica Implante Capilar com Robo. Buscando sempre o melhor para seus pacientes e na vanguarda científica, o CMC oferece como novidade a Técnica de FUE robótica , associada a perda zero das unidades foliculares.

Resumo das Vantagens da Técnica de FUE

Resumo das Considerações importantes da Técnica de FUE

TÉCNICA DE FUE ROBÓTICO:

 

        • NÃO DEIXA UMA CICATRIZ LINEAR NA NUCA
        • ALTA PRECISÃO TOTAL POIS O EQUIPAMENTO NÃO TEM ESTAFA OU DISTRAÇÃO
        • MINIMAMENTE INVASIVA E COM BAIXÍSSIMO RISCO CIRÚRGICO (REALIZADO COM ANESTESIA LOCAL)
        • ALTA LOGO APÓS A CIRURGIA, PACIENTE RETORNA PARA CASA DIRIGINDO
        • NÃO HÁ NECESSIDADE DE INTERNAÇÃO
        • ALTA TECNOLOGIA LASER SEM PRATICAMENTE NENHUMA PERDA FOLICULAR
        • PODE SER UTILIZADA PARA TRANSPLANTE DE CABELOS, SOBRANCELHAS, BARBAS E CÍLIOSPODE SER UTILIZADA PARA CORRIGIR CICATRIZES
        • MENOR TEMPO CIRURGICO
        • MENOR RISCO DE TRANSECÇÃO, POIS POSSUE TECNOLOGIA BÉLICA DE MISSEIS RUSSOS

CONCLUSÃO GERAL:

FUT, FUE, OU FUE ROBÓTICO?

        • Fut e fue robótico – praticamente mesmos resultados , fut deixa uma cicatriz, mas se o paciente tem boa elasticidade a cicatriz poderá ficar praticamente invisível, caso o paciente não utilize cabelo raspado o custo cirúrgico do fut é menor. Anestesia local com sedação em hospital com centro cirurgico, pontos e anestesista. Alta no dia seguinte a cirurgia. Retirada dos pontos em 15 dias. Pós operatório tranquilo, com poucas restrições. Retorno ao trabalho em 72 hs.
        • Fue robótico: mais caro, não deixa nenhuma cicatriz linear, pode usar o cabelo raspado sempre, realizado em sala cirurgica com anestesia local e o paciente sai da cirurgia e prossegue normalmente sua vida, sem necessidade de pausas em qualquer atividade. Único método robotizado com precisão total.
        • Fue manual: muita perda folicular, utilizo apenas para cirurgias muito pequenas ou alguns reparos.

MINHA OPINIÃO:

      • Se o paciente tiver elasticidade, não quiser utilizar os cabelos raspados (pode utilizar até uma máquina 3) e quiser gastar menos a técnica fut tem um custo benefício excelente e não necessita a utilização de robô ou tecnologia. A cicatriz fica bem camuflada e ninguém nota. Eu mesmo passei por esta técnica há 8 anos e meus cabelos estão intactos;
      • Se o paciente não tem elasticidade ou desejar utilizar o cabelo raspado (máquina menor que a 3) após o transplante o interessante seria a técnica do robo artas pois ele permite tudo isso.
Author Info

Centro de Medicina Capilar

Centro de Medicina Capilar

  • Francisco Lúcio

    Qual o preço médio de uma cirurfgia dessas ?

  • Rafael

    Olá, Dr. Gustavo Sartorato!

    Estou enviando um email neste momento para tirar algumas duvidas e solicitar um orçamento. Desde já obrigado!