whatsapp[1] WhatsApp: (48)99993-5301 | (51)99904-6810 | Implante Capilar
WhatsApp (48)99964-1112 | Queda de Cabelo/Agendamento de consulta
Central Telefônica: (48)3333-2804 | (48)3333-2129

Tipos de queda de cabelo

Tipos de queda de cabelo

1Alopécia Androgenética

Alopécia é a queda de cabelo que resulta do enfraquecimento capilar. A vulgar calvície ou alopécia androgenética, está relacionada com as hormonas (androgénio) e tem origem genética. Nos homens, este tipo de alopécia é caracterizada por uma linha de perda de cabelo no topo da cabeça, conhecida como alopécia de padrão masculino. Um tipo semelhante de queda de cabelo ocorre nas mulheres. A alopécia de padrão feminino resulta no enfraquecimento do cabelo no topo da cabeça mas é geralmente menos severa do que nos homens.

Alopécia Androgenética

Alopécia Androgenética | Norwood classificou a alopécia androgenética masculina em vários graus, que poderão ser classificados pelo seu médico tricologista.

 2Alopecia Areata

Pensa-se que a alopecia areata é uma versão da queda do cabelo com origem auto-imune, ou seja, o sistema imunitário do corpo age como se os folículos capilares fossem um organismo estranho e ataca-os. Os glóbulos brancos ou leucócitos atacam o folículo capilar o que faz com que o cabelo pare de crescer e entre na fase de telógena (de repouso). Cerca de três meses mais tarde, quando a fase de repouso estiver terminada, o cabelo começa a cair. Só quando os leucócitos pararem de atacar o folículo capilar um novo cabelo irá nascer. Os primeiros sintomas da alopecia areata surgem na forma de uma mancha redonda de cerca de 2,5cm de largura. Esta forma de queda de cabelo afecta homens e mulheres. Por incrível que seja, manifesta-se pela primeira vez na infância. De acordo com um inquérito feito na América, uma em cada cem pessoas pode vir a sofrer de alopecia areata, em alguma altura da sua vida. Muitas das pessoas afectadas pela alopecia areata irão viver o problema apenas uma vez na vida e o cabelo irá depois voltar a crescer. Contudo, estima-se que, em aproximadamente 20% dos casos, a queda de cabelo seja recorrente e se torne permanente. A alopecia areata tem várias formas, definidas de acordo com o seu grau de gravidade. Estes são:

  • Alopecia areata: pequenas manchas de perda de cabelo no couro cabeludo.
  • Alopecia totalis: perda de cabelo no couro cabeludo.
  • Alopecia universalis: perda de cabelo e de pêlos corporais.

Estudos científicos comprovam que os produtos Viviscal são um tratamento eficiente para os três tipos de alopécia. Consulte a nossa secção de Estudos clínicos para mais informações.

 3Queda de cabelo auto-induzida

A queda de cabelo auto-induzida é conhecida como Tricotilomania e Alopécia por Tracção. Os danos ao cabelo são, por vezes, auto-infligidos, consciente ou inconscientemente.

Tricotilomania

Esta forma de queda de cabelo auto-induzida resulta de puxar e arrancar continuamente os pêlos e cabelos. É mais comum entre crianças pequenas, adolescentes e mulheres. Afecta 50% mais o sexo feminino do que o masculino. A queda de cabelo é provocada pelo próprio indivíduo, que arranca os fios de cabelo directamente do couro cabeludo. Em situações mais graves, alguns indivíduos também arrancam as suas sobrancelhas e pestanas. O tratamento para a Tricotilomania envolve muitas vezes aconselhamento e ajuda psiquiátrica. Em alguns casos só é controlável através de medicação com antidepressivos.

Alopécia por Tração

Provocada de forma inconsciente, a Alopecia por Tracção tem uma causa muito comum. Esta manifestação de queda de cabelo resulta de uma tracção excessiva e contínua sobre o cabelo devido ao uso de diferentes tipos de penteado. Rabos-de-cavalo, totós, tranças e penteados africanos aplicam uma grande tensão no cabelo. Gradualmente irá provocar um aumento na queda de cabelo. Se este tipo de tracção continua a realizar-se durante longos períodos de tempo, a queda de cabelo pode tornar-se permanente. O tratamento para a Alopecia por Tracção pode ser tão simples como uma mudança de penteado. Desde que este reduza a pressão sobre o cabelo e sobre os folículos capilares.

 Eflúvio Telógeno

Esta forma de queda de cabelo é comum em períodos de súbito e extremo stress. O Eflúvio Telógeno manifesta-se com um aumento da queda de cabelo. Para quem está mais susceptível ao Eflúvio Telógeno, um acontecimento súbito ou muito enervante pode fazer com que os folículos capilares parem de crescer prematuramente e entrem na fase de repouso. O cabelo fica então na fase de repouso durante 3 meses. Depois desse período, uma grande quantidade de cabelo cai. Normalmente a pessoa terá recuperado e ultrapassado a situação antes que a perda de cabelo ocorra. Na maioria dos casos a perda de cabelo é temporária e o cabelo recupera rapidamente. Contudo, em alguns casos, só termina quando a causa da queda de cabelo está solucionada. As mulheres são mais afectadas por esta forma de queda de cabelo porque existem mais acontecimentos capazes de suscitar esta situação, tais como a gravidez e parto. O Eflúvio Telógeno pode ser causado por:

Alterações Hormonais

São muitas as razões que levam a alterações hormonais no nosso corpo que podem resultar em queda de cabelo como:

  • Queda de Cabelo pós-parto: 

Esta é uma causa comum para a queda de cabelo. Sensivelmente 3 meses após o parto, muitas mulheres sofrem de queda de cabelo, desencadeada pelas súbitas mudanças nos níveis das hormonais. Algumas estatísticas indicam que 20% das mães perdem cabelo após o parto e outros apontam um número superior, perto dos 45%. Felizmente, na maioria dos casos o cabelo volta ao normal ao fim de 9 a 12 meses após o parto. Muitas mulheres notam que o seu cabelo fica mais espesso e forte durante a gravidez. Esta alteração deve-se ao aumento dos níveis de hormonas como o estrogénio e progesterona, que fazem com que um número de cabelos superior ao normal permaneçam na fase de crescimento. Contudo, após o nascimento do bebé, muitos desses folículos capilares entram subitamente na fase de repouso, devido à rápida diminuição dos níveis das hormonas. Em consequência, estes cabelos acabam por cair 3 meses mais tarde;

  • Queda de Cabelo resultante do uso da pílula contraceptiva:

A pílula contraceptiva afeta os níveis hormonais e estes podem afetar o crescimento do cabelo. Em alguns casos, o cabelo pode ficar mais fraco devido às hormonios masculinas presentes em algumas pílulas contraceptivas. Este tipo de queda de cabelo é semelhante ao padrão de calvície ou Alopecia androgenética. Contudo, após deixar de tomar a pílula pode acontecer um tipo de queda de cabelo semelhante ao que ocorre após o parto, devido à queda dos níveis hormonais.

  • Queda de cabelo derivada do mau funcionamento da glândula da Tiróide:

Normalmente, o primeiro teste que um médico ou especialista fará a um paciente que sofre de perda de cabelo é um teste à tiróide. Sabe-se que um problema nesta glândula pode levar à queda de cabelo. Nos dois tipos mais comuns de distúrbios na Tiróide, qualquer um deles pode resultar em queda de cabelo. Referimo-nos ao hipotiroidismo (subprodução de Tiroxina) e hipertiroidismo (sobreprodução de Tiroxina). A queda de cabelo pode resultar tanto de hipotiroidismo como de hipertiroidismo. Em alguns casos a queda de cabelo é mínima, mas em alguns indivíduos pode ser bastante severa. Felizmente, esta queda de cabelo é normalmente reversível com tratamento adequado. Se suspeita que a sua tiróide tem algum problema deve consultar o seu médico;

Infecções do couro cabeludo:

Infecções como dermatofitoses ou dermatomicoses podem afectar o cabelo e a pele do couro cabeludo, levando à queda de cabelo. Uma vez tratadas as infecções, o cabelo geralmente volta a crescer;

Operações cirúrgicas ou doenças crónicas:

O choque que envolve uma grande operação pode levar a uma queda de cabelo súbita. Em cirurgias de micro ou mini transplantes de folículos capilares para o couro cabeludo também ocorre quase sempre Eflúvio Telógeno. Devido ao choque da cirurgia, os folículos capilares acabam por cair ao fim de três meses. Mas dos folículos transplantados acabam por nascer novos cabelos após este período.Alguns tratamentos para combater o cancro fazem com que as células capilares deixem de se dividir. Os cabelos tornam-se finos e caem. Isto ocorre uma a três semanas após o tratamento. Os pacientes podem perder até 90% do cabelo. O cabelo volta a crescer após o final dos tratamentos.

Stress psicológico extremo:

Algumas pessoas sofrem de eflúvio telógeno ou queda de cabelo súbita e difusa após uma situação traumática. A perda de um familiar ou alguém próximo, um acidente, violência ou outro qualquer acontecimento traumatizante despoletam problemas de queda de cabelo. Os folículos capilares entram prematuramente na fase de repouso, o que leva a que uma forte queda de cabelo se faça- sentir três meses após o acontecimento. Quando a situação de stress é ultrapassada ou o corpo se adapta à mesma, o cabelo g eralmente volta a crescer.

Dietas dramáticas/ingestão inadequada de proteínas:

Dietas extremas com baixo consumo de proteínas ou hábitos alimentares incorrectos, são o caminho para uma má nutrição em termos proteicos. Nessas situações, o corpo armazen a p roteína que faz com os cabelos em fase de crescimento passem à fase de repouso. Uma acentuada queda de cabelo pode acontecer dois ou três meses depois. Um dos sintomas é fácil de verificar, quando o cabelo é arrancado das raízes com extrema facilidade. Esta situação pode ser invertida ou prevenida. Para tal, deve-se ingerir a quantidade certa de proteína. Mesmo em caso de estar a fazer uma dieta de perda de peso, deve-se manter uma ingestão adequada de proteínas.

Drogas/medicação:

A prescrição de alguns medicamentos pode levar à queda temporária de cabelo. Em baixo pode conhecer alguns medicamentos usados para tratar de doenças como: gota, artrite, depressão, problemas de coração, hipertensão ou hipotensão, que podem provocar queda de cabelo. Doses elevadas de vitamina A podem também levar a uma queda de cabelo.Veja alguns exemplos, nesta lista de drogas que têm como efeito secundário a perda de cabelo:

  • Alopurinol (para tratamento de gota)
  • Heparina (anticoagulante; usada para tornar o sangue mais fino)
  • Coumarina (anticoagulante; usada para tornar o sangue mais fino)
  • Clofibrate (tratamento para baixar o colesterol)
  • Gemfibrozil (tratamento para baixar o colesterol)

Estas drogas são apenas algumas das que têm como efeito secundário a queda de cabelo. Se suspeita que algum medicamento que lhe foi prescrito está a provocar-lhe queda de cabelo, deve discutir este assunto com o seu médico.